RSS
Write some words about you and your blog here

Bolsistas do PET-EF/UFAC NO CONGRESSO PANAMAZÔNICO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTES (2013)

          Fomos convidados pelo Prof. Dr. Célio Borges, docente da Universidade Federal do  Rondônia (Curso de Educação Física), para participar do IV Congresso Panamazônico  de Educação Física e Esportes, realizado no período de 19 a 22 de setembro na cidade de Porto Velho (RO).
 
          Em decorrência do convite, nos reunimos e definimos as ações que deveríamos tomar para participar deste evento tão importante na região amazônica.


Reunião geral (Foto: Carlos Teixeira)
 
          Nos organizar para fazer as inscrições e o envio de trabalhos. Tivemos aprovadas quatro comunicações orais (cujos resumos seguem abaixo) e iniciamos a segunda etapa de nossa organização para o evento: as solicitações de transporte e bolsas Pró-Ciência para ajuda de custo.
Grupo PET-EF/UFAC (Foto: Emanuely Falqueto)
 
          Conseguimos o atendimento de todas as nossas solicitações e agradecemos ao empenho pessoal de nosso Reitor, prof. Dr. Minoru Martins Kimpara, e agradecemos também ao Pró-Reitor de Administração Bel. Thiago Rocha dos Santos, ao Pró-Reitor de Assuntos Estudantis, prof. Cleilton França dos Santos, ao Diretor de Assuntos Estudantis, prof. Antônio Pontes Junior e a todos os funcionários técnico-administrativos que viabilizaram a viagem do grupo, especialmente ao motorista, Sr. Vladimir.
          Ao longo deste processo outro grupo também se mobilizava, sob orientação do prof. Carlos Roberto Teixeira, coordenador do Programa de Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) do Curso de Educação Física - Licenciatura.
Grupo PIBID-EF/UFAC
 
          Finalmente chegou o grande dia, os grupos PET e PIBID partiram no dia 19 de setembro/2013 de Rio Branco, as 6 horas pontualmente, do Campus da UFAC.
    PET e PIBID juntos representando a Educação Física da UFAC
                             (Foto: Socorro Craveiro)
 
          Em P. Velho os discentes ficaram hospedados no Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Rondônia (SINTERO), onde foram muito bem recebidos. Nossos agradecimentos especiais ao colegas do Sintero.
Sintero (alojamento)
 
          Neste mesmo dia os bolsistas fizeram o credenciamento e receberam o material do congresso.

         
Credenciamento (SENAC)
          
 Nossos trabalhos foram respectivamente (resumos):
JOGOS E BRINCADEIRAS POPULARES: OLHARES DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFAC.
 
1 Maria do Socorro Craveiro de Albuquerque (mariasocorrocraveiro@gmail.com) – Dra. em Educação – Docente no Centro de Ciência da Saúde e do Desporto (UFAC/AC). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas da Cultura Corporal e Comunicação na Amazônia. Tutora do Grupo PET-EF/UFAC.
2 Adriane Corrêa da Silva (adrine.acs@gmail.com) – Mestre em Educação Ambiental – Docente no Centro de Ciência da Saúde e do Desporto (UFAC/AC). Pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisas da Cultura Corporal e Comunicação na Amazônia/UFAC. Colaboradora no Grupo PET-EF/UFAC.
3. Andre Crisnei Lima da Silva (andrecrisney@gmail.com) – Discente no Curso de Licenciatura em Educação Física da UFAC/AC. Bolsista do Grupo PET-EF/UFAC.
4. Ivo Rodrigues do Nascimento (ivo_rodrigues1990@hotmail.com) – Discente no Curso de Licenciatura em Educação Física da UFAC/AC. Bolsista do Grupo PET-EF/UFAC.
5. Kennedy José Cordeiro Lima (kellzinho_ac@hotmail.com) – Discente no Curso de Licenciatura em Educação Física da UFAC/AC. Bolsista do Grupo PET-EF/UFAC.
Pintura Ivan Cruz (2012)
INTRODUÇÃO: Este trabalho trata de pesquisa realizada na disciplina de Teoria e Prática de Jogos e Brincadeiras Populares, ministrada em 2010. OBJETIVO: Resgatar as brincadeiras do cotidiano infantil, a partir dos olhares dos/das acadêmicos/as do 8º período do Curso de Licenciatura em Educação Física, fortalecendo assim, as identidades socioculturais dos estudantes da Universidade Federal do Acre. METODOLOGIA: Partimos do pressuposto de que a cultura corporal resulta de conhecimentos socialmente produzidos e historicamente acumulados pela humanidade. Tal produção pode ser identificada como forma de representação simbólica de realidades vividas pelos seres humanos e foram historicamente criadas e culturalmente desenvolvidas (COLETIVO DE AUTORES, 1992). Desse modo, a cultura lúdica é a dimensão da cultura caracterizada pelo processo pautado na aprendizagem centrada nos jogos, brinquedos e brincadeiras, construída a partir das referências de inserção social de pessoa e/ou grupos. E assim as brincadeiras supõem a capacidade de considerar uma ação de modo diferente (BROUGÈRE, 1997). DISCUSSÃO DOS RESULTADOS: A partir desses olhares os acadêmicos/as reconstruíram suas práticas entendendo que no brincar temos parceiros em potencial que lhe darão um valor de comunicação particular, através da brincadeira. Neste relato com 17 acadêmicos/as, sendo 8 do sexo masculino e 9 do sexo feminino houve um levantamento de 80 brincadeiras e entre estas estão: barra/bandeirinha com 23 citações; pular corda com 15 citações; amarelinhas/macaca/macaquinha com 15 citações; manja com 13 citações; pular elástico com 12 citações; baleado/queimada com 12 citações; boca do forno com 11 citações; pé de lata/ lata/ lateiro/ salve latinha com 10 citações; pepeta/papagaio/curica com 7 citações; esconde-esconde com 7 citações; bolinha de gude/peteca/bila/turitis com 8 citações; roda cantada com 7 citações (Atirei o pau no gato, Fui no Tororó, A carrocinha pegou, Fui a Espanha); betis/taco com 7 citações; cabra cega com 7 citações dentre outras menos citadas. Entendemos que a cultura são valores, posturas, hábitos, lugares, conhecimentos, técnicas, identidades comuns e diversas, conceitos, saberes e fazeres múltiplos. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Sendo assim, é preciso que o patrimônio cultural comum passe a ter lugar de cultivo de tradições, saberes e fantasias, e que se estabeleça uma relação, sob arranjos institucionais, entre saberes de “fora da escola” e o ensino de modo geral, desde a educação básica até a universidade. Dessa forma resgatando e ofertando brincadeiras na prática pedagógica, enquanto processo de ensino-aprendizagem estaremos potencializando essas atividades na escola e estabelecendo lugar a esses saberes.
Palavras-Chave: Jogos e Brincadeiras Populares. Patrimônio cultural. Educação Física.
 
 

         
PRÁTICA DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR I: SABERES DA DOCÊNCIA 
1 Maria do Socorro Craveiro de Albuquerque (mariasocorrocraveiro@gmail.com) – Dra. em Educação – Docente no Centro de Ciência da Saúde e do Desporto (UFAC/AC). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas da Cultura Corporal e Comunicação na Amazônia. Tutora do Grupo PET-EF/UFAC.
2 Adriane Corrêa da Silva (adrine.acs@gmail.com) – Mestre em Educação Ambiental – Docente no Centro de Ciência da Saúde e do Desporto (UFAC/AC). Colaboradora no Grupo PET-EF/UFAC.
3 Isohane Paz Santos (hane.ufac@gmail.com) – Discente no Curso de Licenciatura em Educação Física (UFAC/AC). Bolsista do Grupo PET-EF/UFAC.
4 Geuzileide Maria da Silva (geuzileide@hotmail.com) – Discente no Curso de Licenciatura em Educação Física da UFAC/AC. Bolsista no Grupo PET-EF/UFAC.
5 Camille Silva Antiquero (camilly.antiquero@hotmail.com) – Discente no Curso de Licenciatura em Educação Física da UFAC/AC. Bolsista no Grupo PET-EF/UFAC.
INTRODUÇÃO: Este trabalho é um relato de pesquisa realizado no Curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Acre, durante a disciplina Prática de Ensino da Educação Física Escolar I, no segundo semestre de 2011.  OBJETIVO: Realizamos uma investigação visando identificar junto aos discentes, como se constroem os saberes da docência. METODOLOGIA:Para tanto utilizamos um texto gerador do debate (TARDIF, 2002), que realizamos em sala de aula, onde abordávamos a história de vida (pessoal e acadêmica) dos estudantes a partir de perguntas sobre: a trajetória escolar; em que etapa de ensino começou a ter educação física; exemplo (positivo e negativo) de professor de educação física; número de vestibulares que prestou até ser aprovado; motivos da escolha por um curso de formação docente, especialmente, educação física, juntamente com relatórios sobre a prática de ensino vivenciada na disciplina. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS: Os dados apontaram para a confluência de diversas fontes de saberes. Assim, podemos dizer que os saberes pessoais provêm da família, do ambiente social, da educação básica e como tal, integram-se paulatinamente à aprendizagem profissional durante a formação inicial.
 
Fonte: Tardif, 2002.
 
Tais saberes têm uma natureza social, provêm de lugares sociais e estão situados fora da formação docente, sendo produzidos e legitimados em seus grupos sociais. Os saberes provenientes da escolarização básica vão sedimentar de modo cumulativo e seletivo as experiências escolares em relação aos investimentos subsequentes na formação profissional, moldando a identidade pessoal dos futuros professores e seu conhecimento prático. Os saberes provenientes da formação inicial são aprendidos e construídos para ensinar e são os saberes necessários à realização do trabalho docente, amalgamando os conhecimentos didáticos e pedagógicos a outros tipos de conhecimentos, tais como crenças, representações, certezas. Os saberes provenientes de programas, livros e outros materiais usados na prática docente estão ligados à situações de trabalho com os outros (alunos, funcionários, professores), ancorados na complexa tarefa de ensinar e situados num espaço de trabalho (a escola, a quadra, o campinho). Os saberes da experiência docente, na prática de ensino, dependem tanto das condições concretas nas quais essa aprendizagem se realiza, quanto da personalidade de cada sujeito. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Consideramos que os saberes da docência estão assentados em negociações com o que cada pessoa é – suas emoções, expectativas, historia pessoal, compromisso político, valores, ética – e o que faz. Isso indica que esses saberes serão utilizados tanto como um meio de trabalho, mas também operacionalizados e simbolizados em reflexões, gestos e palavras necessárias à sua realização.
Palavras-chave: Educação Física. Prática de Ensino. Saberes da docência.
 
SABERES DA ESCOLARIZAÇÃO BÁSICA: IDENTIDADE PROFISSIONAL E CONHECIMENTO PRÁTICO 
1 Maria do Socorro Craveiro de Albuquerque (mariasocorrocraveiro@gmail.com) – Dra. em Educação – Docente no Centro de Ciência da Saúde e do Desporto da UFAC/AC. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas da Cultura Corporal e Comunicação na Amazônia. Tutora do Grupo PET-EF/UFAC.
2 Adriane Corrêa da Silva (adrine.acs@gmail.com) - Mestre em Educação Ambiental - Docente no Centro de Ciência da Saúde e do Desporto da UFAC/AC. Colaboradora no Grupo PET-EF/UFAC.
3 Raquel Gleyciane Santos de Souza (raquelciane@gmail.com) – Discente do Curso de Pedagogia (UFAC). Bolsista PROAES.
4 Eduin Fabi Souza  (eduzinhofernandes@hotmail.com) – Discente do Curso de Licenciatura em Educação Física da UFAC/AC. Bolsista no Grupo PET-EF/UFAC.
5 Cassio Barbosa da Cunha (Cássio_100@hotmail.com) – Discente do Curso de Licenciatura em Educação Física da UFAC/AC. Bolsista no Grupo PET-EF/UFAC.

INTRODUÇÃO: Em 2011, durante a disciplina Prática de Ensino da Educação Física Escolar I no Curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Acre, trabalhamos com relatos de experiências, através de investigações visando identificar saberes da escolarização básica. Para tanto utilizamos um texto de (TARDIF, LESSARD, LAHAYE, 1991) para a fundamentação desta proposta, percorrendo assim, as histórias escolares dos acadêmicos. OBJETIVO: Com isto buscamos identificar os diferentes tipos de saberes provenientes da formação básica, na qual: “uma boa parte do que os professores sabem sobre o ensino, sobre os papéis do professor e sobre como ensinar provém de sua própria história de vida, principalmente, de sua socialização enquanto alunos” (TARDIF, 2002, p. 68). DISCUSSÃO DOS RESULTADOS: Os futuros professores em suas narrativas apontaram juízos provenientes de tradições escolares que interiorizaram ou negaram, caracterizados por aspectos positivos e/ou negativos de seus professores de educação física. Os aspectos positivos, a saber, foram: atenção; cuidado com o aluno; pontualidade; amabilidade; inclusão; aulas diversificadas com turmas mistas; planejamento; socialização; aulas teóricas; responsabilidade; estimulava a participação; caráter; honestidade; valor; criatividade; paciência; empenho; assiduidade; disciplina; aulas dinâmicas; esforço pessoal para a realização das aulas; importava-se com os alunos; alegre/divertido; brincalhão; boas avaliações. Nos aspectos negativos emergiram as seguintes características: ênfase no esporte/treinamento; metodologias inadequadas; laissez-faire; falta de compromisso; negligência com a segurança dos alunos; preferência pelos atletas; preconceito; exclusão; não dominava o conteúdo; só fazia aula prática (“jogava bola”). Assim, o que foi retido das experiências escolares dimensiona, ou pelo menos orienta os investimentos e as ações durante a formação inicial.
CONSIDERAÇÕES FINAIS: Ao longo de sua história de vida pessoal e escolar, supõe-se que o futuro professor interioriza certo número de conhecimento, de competência, de crença, de valor, os quais estruturam a sua personalidade e sua relação com os outros, que são reatualizados e reutilizados, de maneira não reflexiva, mas com grande convicção na prática.
Desse modo, o futuro professor se baseia em sua experiência vivida, enquanto fonte viva de sentidos, a partir da qual o próprio passado lhe possibilita esclarecer o presente e antecipar o futuro.
Palavras-chave: Educação Física. Saberes da escolarização básica. Identidade profissional.
 
 
ESCOLHA PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFAC: INGRESSANTES EM 2008
1 Maria do Socorro Craveiro de Albuquerque (mariasocorrocraveiro@gmail.com) – Dra. em Educação – Docente do Centro de Ciência da Saúde e do Desporto (UFAC/AC). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas da Cultura Corporal e Comunicação na Amazônia/UFAC. Tutora do Grupo PET-EF/UFAC.
2 Adriane Corrêa da Silva (adrine.acs@gmail.com) – Mestre em Educação Ambiental – Docente no Centro de Ciência da Saúde e do Desporto (UFAC/AC). Colaboradora no Grupo PET-EF/UFAC.
3 Renilson da Silva Oliveira (renna.oli@gmail.com) - Curso de Licenciatura em Educação Física (UFAC/AC). Bolsista no Grupo PET-EF/UFAC.
4 Ricardo Victo Gama de Barros (ricardovitor_kodinho@hotmail.com) - Curso de Licenciatura em Educação Física (UFAC/AC). Bolsista no Grupo PET-EF/UFAC.
5 Vera Lúcia Godoy Miranda de Araújo(veralucia.ufac@gmail.com) - Curso de Licenciatura em Educação Física (UFAC/AC). Bolsista no Grupo PET-EF/UFAC.
 
INTRODUÇÃO: Este é um relato de pesquisa realizada do Curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Acre. OBJETIVO: Considerando-se que a escolha profissional é um processo contínuo e complexo, nesse estudo objetivamos identificar os motivos da escolha profissional por um curso de licenciatura, particularmente, em educação física, com cinquenta discentes, durante a disciplina Prática de Ensino da Educação Física Escolar III, no segundo semestre de 2011. METODOLOGIA: Para tanto utilizamos o seminário temático (THIOLLENT, 1992), onde os participantes narraram sua trajetória escolar, tendo como foco: permanência no sistema escolar até o ingresso no ensino superior (momentos decisivos, desempenho na escola, relação com os colegas/professores)pessoas significativas na trajetória escolar; expectativas/ projetos e postura familiar sobre escolarização. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS: As narrativas dos discentes apontaram como fatores pela escolha por um curso de licenciatura: o exemplo de familiares docentes; apoio/influência da família; gosto pelo ensino; ganhar a confiança dos pais; saber lidar com crianças. Em relação à escolha por um curso de licenciatura em educação física, apontaram como fatores: ter sido atleta; ter exemplo de outros professores de educação física; identificação com a área; gostar de ensinar; maior possibilidade no vestibular; interesse financeiro; maior possibilidade profissional; incentivo de familiares; necessidade de conhecimento; ascensão social; gostar de esportes; ter um curso superior; mudar o contexto atual da área; querer fazer a diferença.  Desse modo, constatamos que a maioria (98%) dos discentes escolheu o magistério em educação física como primeira escolha no vestibular – embora por razões diversas –e, apenas 2% dos participantes indicou “não saber” o motivo de sua escolha. No ano de ingresso desses estudantes (2008), segundo dados de Neri (2009) a relação candidato-vaga em E.F (Licenciatura) foi de 12,34% e nota de corte foi de 65 pontos. Os familiares desses ingressantes tinham renda de até quatro salários mínimos; nenhum dos pais tinha curso superior; tinham a idade média de 19 anos; se autodeclararam da cor parda; cursaram o ensino médio em escola pública (no período diurno e na modalidade regular); e não trabalhavam quando se inscreveram no vestibular.
 
CONSIDERAÇÕES FINAIS:Assim, constata-se uma substantiva associação entre as propriedades econômicas, culturais e escolares dos estudantes e a sua inserção no campo acadêmico, o que remete a uma educação pública que ainda não foi capaz de combater as desigualdades e promover a democratização das oportunidades escolares e das condições de permanência dos estudantes na universidade, de modo a garantir a conclusão do curso, aproveitando plenamente a experiência acadêmica.
Palavras-chave: Educação Física. Escolha profissional. Docência.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
         

 

0 comentários:

Postar um comentário